ACESSO RÁPIDO

Dez formas (menos habituais) de poupar

Início / Blog / Dez formas (menos habituais) de poupar

Dez formas (menos habituais) de poupar

Todos sabemos que poupar é importante. São os hábitos de poupança que permitem ir colocando algum dinheiro de parte, de modo a ter uma 'almofada' que dê resposta a situações imprevistas ou até a compras há muito desejadas. Contudo, existem várias formas de poupar, umas mais óbvias do que outras.

O Doutor Finanças reuniu um conjunto de dez dicas de poupança menos habituais para "obter resultados significativos para o seu orçamento familiar". Ainda assim, vale lembrar que para alcançar este objetivo, deve "definir uma estratégia e traçar um plano".

    Poupar na congelação de produtos alimentares

    "Uma forma menos usual de poupar dinheiro e que, por vezes, passa despercebida é a congelação e refrigeração de produtos alimentares, especialmente os mais perecíveis. Vamos pegar no exemplo mais simples, legumes. Produtos hortícolas são alimentos com curto tempo de vida, quando armazenados em condições de refrigeração. Porém, se forem congelados o seu tempo de prateleira aumenta bastante. O mesmo acontece com outros artigos, nomeadamente, fruta, pão, entre outros. Ao congelar estes produtos, além de aumentar o seu tempo de prateleira, está também a diminuir o desperdício pois evita que se estraguem e tenham de ir para o lixo."

    Comprar apenas produtos de substituição

    "Com o passar do tempo, é fácil acumular determinados artigos, nomeadamente roupa, mobiliário, decoração, brinquedos, entre muitos outros. O princípio de comprar produtos de substituição assenta em comprar apensas se algo já não serve ou perdeu a utilidade. No caso da roupa, o facto de termos o roupeiro "recheado" de artigos, muitas vezes, não nos impede de comprar sempre mais. Segundo este princípio, apenas deve comprar novos artigos de vestuário para substituir algo que deixou de servir ou se estragou. Assim, evita comprar sem necessidade e por compulsão."

    Planear a utilização de carro

    "A utilização de carro tornou-se uma comodidade, mas o seu uso representa gastos, especialmente quando não é controlado. Assim, deve ponderar restringir a utilização do seu carro ao essencial e, se possível, planear as suas viagens. Neste sentido, pode ajudar aproveitar uma saída de carro para tratar de vários assuntos. Outra forma de poupar passa pela partilha das viagens. Por exemplo, se vai de carro para o trabalho diariamente, divida o transporte com colegas. Assim, podem dividir as despesas do combustível e poupar em deslocações. Outra vantagem é a diminuição de carros em circulação, o que é benéfico para o meio ambiente."

    Não ter receio de sair "de mãos vazias"

    "Para algumas pessoas a ideia de sair de "mãos vazias" das lojas deixa algum receio, no sentido em que não querem que pareça mal a quem lá trabalha. Esta pressão que colocamos em nós, só nos prejudica e acaba por beneficiar os espaços comerciais. Assim sendo, faça um esforço para não se deixar levar por este comportamento condicionado. Se a loja em que entrar não tiver o que precisa não é obrigado a comprar."

    Poupar na compra de produtos em segunda mão

    "Uma outra forma indireta de poupar dinheiro é comprar produtos em segunda mão. A aquisição de artigos novos pode ser bastante dispendiosa. Quer seja pelo aumento dos custos de materiais, quer seja pela inflação, os preços têm vindo a aumentar e os salários tendem a não acompanhar este aumento. Assim, ao comprar em segunda mão, em lojas físicas ou online, pode conseguir artigos em bom estado, a metade do preço ou menos. Atualmente, a compra de artigos em segunda mão é cada vez mais comum e é tida como uma medida de poupança e combate ao desperdício."

    Vender o que já não utiliza

    "Com tanto que se acumula ao longo do tempo, mais cedo ou mais tarde, tem mesmo de se desfazer do que já não usa. O mais simples é dá-las a pessoas conhecidas. Nesta situação, apesar de concretizar o propósito de se desfazer de coisas que já não usa, não beneficia financeiramente. Para tal, pode, e deve vender o que já não usa e, dessa forma, fazer algum dinheiro para aumentar as suas poupanças. Atualmente, existem diversas plataformas de venda de artigos online, que podem facilitar o processo. Além disso, pode sempre deslocar-se a lojas que compram artigos em segunda mão."

    Cronometrar as suas compras

    "A técnica de cronometrar as suas compras pode parecer estranha, mas pode ser uma forma de o manter focado e evitar que compre de forma impulsiva. Se vai a uma superfície comercial e acaba por "passear" por lá, em busca de "algo que faça falta", pode acabar por comprar artigos desnecessários. Se limitar as suas compras a uma certa duração, por exemplo, 45 minutos, vai dispor apenas desse tempo para as efetuar, o que faz com que esteja mais focado no que realmente precisa de comprar."

    As despesas fixas são inflexíveis?

    "O termo despesas fixas é comum, no entanto, não tem de ser definitivo. Ou seja, podem sempre ser analisadas e reajustadas. Assim, deve analisar as suas despesas anualmente e identificar possíveis renegociações de contratos ou reduções de valores. No caso da eletricidade, por exemplo, procure perceber quais as soluções que melhor respondem ao seu nível de consumo (simples, bi-horário, tri-horário). Analise também a possibilidade de mudar de banco para poupar nos custos fixos (anuidades e comissões) ou, até mesmo, de seguro de vida para opções que lhe sejam mais vantajosas."

    Poupe ao reutilizar o que já tem

    "Reutilizar é uma outra forma de poupar. Por exemplo, utiliza panos para limpar? Se sim, deixe de os comprar e reutilize roupas velhas para fazer panos, desta forma evita esse gasto e reaproveita algo que já não ia usar de outra forma. Tem caixas de sapatos ou de outro tipo em casa e estava a pensar deitá-las fora? Utilize-as, antes, para organização de espaços, por exemplo gavetas e armários. Desta forma, não só está a poupar na aquisição de separadores novos, como também está a diminuir o desperdício."

    Aposte em produtos de melhor qualidade

    "Costuma dizer-se "quanto mais melhor": será mesmo assim? Por vezes, compensa mais ter menos e de boa qualidade, do que mais e de qualidade inferior. Peguemos no exemplo do vestuário. Se comprar mais, por menos dinheiro, o mais certo é que dure menos tempo, já que pode estragar-se com mais facilidade. Dê preferência a artigos de melhor qualidade, pois duram mais tempo, fazendo com que não gaste dinheiro a substituí-los tão cedo. Pensando a longo prazo, acaba por poupar adotando esta estratégia."

(Fonte: Economia ao Minuto)

Comente,

até breve...muito breve! /*--*

Comentar

Filtered HTML

  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <blockquote> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.
COMPARTILHE: 

Últimas do blog