ACESSO RÁPIDO

A relação entre álcool, síndrome metabólica e obesidade

Início / Blog / A relação entre álcool, síndrome metabólica e obesidade

A relação entre álcool, síndrome metabólica e obesidade

No começo do mês, a Associação Europeia para o Estudo da Obesidade divulgou um trabalho que mostra que o consumo de acima de sete gramas de álcool por dia está associado ao aumento do risco de síndrome metabólica e obesidade. Para se ter uma ideia mais precisa do que essa medida significa, bebidas como uma taça pequena de vinho (100 ml), uma lata de cerveja (375 ml) ou uma dose de uísque (30 ml) têm dez gramas de álcool puro. No entanto, há variações sobre o que é um drinque padrão entre os países – enquanto no Reino Unido a referência é de oito gramas, nos EUA é de 14 e no Japão chega a 20! A Organização Mundial da Saúde crava sua medida em dez gramas e adverte que ninguém deve passar de dois drinques por dia, o que também é controverso, já que não há um patamar seguro para o consumo que se aplique a todos os indivíduos.

O risco, que vale para homens e mulheres, fica mais claro se pensarmos na quantidade de calorias contidas numa bebida: uma taça de vinho tem cerca de 100 calorias; uma latinha de cerveja, 150; uma caipirinha com vodca e açúcar, 300! O estudo foi realizado pelo médico Hye Jung Shin, de Seul, na Coreia do Sul, com base em dados de 27 milhões de pessoas, acima dos 20 anos, durante dois anos. Independentemente de outros fatores, como idade, falta de atividade física e tabagismo, a análise estabeleceu uma relação direta entre álcool e obesidade e o conjunto de condições que descrevem a síndrome metabólica: glicose, pressão e colesterol altos, além da gordura abdominal que chamamos de “pneu”. O quadro aumenta as chances de doenças coronariana, infartos e AVCs.

Comparados com os abstêmios, os homens que ingeriam entre sete e 14 gramas de álcool, de acordo com o padrão utilizado pelos pesquisadores, tinham 10% a mais de probabilidade de apresentar um quadro de obesidade ou síndrome metabólica. No caso do consumo alcoólico chegar a dois drinques diários, as chances subiam para um patamar de 22% para obesidade e de 25% para síndrome metabólica. Além de duas doses, o risco crescia, respectivamente, 34% e 42%. Entre as mulheres, o perigo aumentava para aquelas que tomavam mais de dois drinques por dia: 22% para obesidade e 18% para síndrome metabólica.

Pesquisa da escola de medicina da NYU (New York University), divulgada em 2019, mostrara que cerca de 10% dos indivíduos acima de 65 anos bebem pesadamente, se expondo a uma série de doenças. Beber sem moderação é ruim em todas as idades, mas as complicações são maiores na velhice. Em tempos de pandemia, quando já está provado que a obesidade tem papel relevante nas complicações por Covid-19, é bom pensar duas vezes antes de levantar o copo.

(Fonte: G1 Globo)

Comente,

QUE VOCÊ TENHA UMA ÓTIMA SEXTA-FEIRA!

Comentar

Filtered HTML

  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <blockquote> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.
COMPARTILHE: 

Últimas do blog