ACESSO RÁPIDO

Você não vai ter paz e prosperar se não acabar com as dívidas

Início / Blog / Você não vai ter paz e prosperar se não acabar com as dívidas

Você não vai ter paz e prosperar se não acabar com as dívidas

Quem se lembra da crise financeira vivida no mundo e no Brasil há alguns anos? Depois de um período de ajustes na economia, com demissões, diminuição no crescimento e alguma instabilidade, o mercado brasileiro volta a dar sinais de crescimento, com a taxa de desemprego ainda elevada, mas com alguns sinais de recuperação.

Com a eleição de um novo governo, mesmo com algumas dúvidas, as pessoas esperam que o pior já tenha passado e que o país volte finalmente para o rumo do crescimento. Agora, empresas anunciam fusões e o mercado de ações volta a efervescer. Crise? Que crise?

Mesmo com a perspectiva positiva do futuro ainda é alto o número de brasileiros endividados, inadimplentes.

Toma lá, dá cá!

O que tudo isso tem a ver com a crise, mencionada no primeiro parágrafo? Vamos tentar chegar a uma conclusão juntos: você sabe quais são as maiores causas de inadimplência? Os consumidores com problemas de pagamento apontam a perda do emprego, o descontrole de gastos e emprestar o nome/cartão para familiares e amigos como os principais motivos.

Traduzindo, as chances de perder o emprego durante uma crise aumentam consideravelmente, o que explica o maior número de inadimplentes. A falta de planejamento impede que muitos brasileiros se preparem melhor para emergências e comprometam grande parte de sua renda com dívidas desnecessárias.

Quando há trabalho e emprego, falta bom senso e controle. Quando sobra algum capital, alguém logo pede emprestado e contribui para que tudo fique do mesmo jeito ou pior. É triste constatar que são muitos os brasileiros pagando dívidas empurradas dos últimos anos. Mais triste é saber que, para não ficarem de fora da “onda do consumo”, muitos deles já fizeram novas e maiores dívidas no decorrer de 2018.

Está tudo bem? Prepare-se para o pior!

O texto de hoje tem tons de indignação. A situação me preocupa, principalmente porque quando damos a volta por cima insistimos em cometer os mesmos erros. Esta não será a última crise, assim como 2018 não será o único ano de crescimento (é o que tudo indica, até o momento). Sabendo disso, o que você faz? Dar de ombros é comum, infelizmente. Proponho atitudes mais inteligentes:

•  Crie uma reserva de emergência. O momento em que você tem dinheiro disponível, fluxo de caixa previsível e possibilidade de se organizar tem que ser aproveitado para investir no futuro e criar oportunidades concretas de consumo e padrão de vida diante de futuras crises.

•  Evite comprometer mais do que 30% de sua renda mensal com dívidas de mais de 30 dias. Prefira negociar insistentemente e pagar quando tiver o dinheiro disponível à vista. Certifique-se que há dinheiro para a qualidade de vida, para os investimentos (pelo menos 10% da receita líquida) e para o básico;

•  Imponha e respeite limites para categorias de gasto do orçamento. Com o que você gasta seu dinheiro? Os inadimplentes têm sempre desculpas e justificativas para chegar ao final do mês com a corda no pescoço. Comece a anotar tudo o que recebe e gasta como uma simples experiência e depois de algum tempo observe suas anotações. “C@#%#$@, para onde foi meu dinheiro?” é uma reação bem comum. Mais sobre orçamento no artigo “Sua saúde financeira e os ‘Outros’”.

Conclusão

Possíveis reflexões sobre seu dia-a-dia financeiro só serão bem-vindas se você admitir que lidar bem com dinheiro deve ser uma de suas principais prioridades. Ou corremos o risco de continuar comentando números e conclusões cada vez piores sobre inadimplência, endividamento, crise etc. Terá fim essa história?

Você não pode delegar ou terceirizar suas responsabilidades nunca, portanto, lembre-se o primeiro passo para quem quer melhorar a situação financeira é eliminar as dívidas.

(Fonte: Dinheirama)

Comente,

até breve...muito breve! /*--*/

Comentar

Filtered HTML

  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <blockquote> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.
COMPARTILHE: 

Últimas do blog